sábado, 27 de agosto de 2011

Resenha do filme Planeta dos Macacos – A Origem

Por Bruno Tinoco

Há duas semanas, quando soube que iria estrear um novo filme baseado na produção original de 1968, Planet of the Apes (Planeta dos Macacos, em português), fiquei bastante animado. Sempre achei uma das ideias mais legais do cinema americano e, agora, teria a oportunidade de saber como os “macacos” dominaram a espécie humana e adquiriram certas faculdades ausentes nos grandes primatas do mundo real*, tais como fala, andar ereto e inteligência superior à do Homo sapiens, isto é, nós.

Assisti ontem o filme, logo na estreia, e vou compartilhar com vocês as minhas impressões e comentar determinadas passagens e conceitos que acho que merecem discussão. Desde já, adianto que fiquei satisfeito com o que vi e recomendo aos amigos. É seguramente um dos filmes (ao lado de Rio) que mais me empolgaram em 2011.

O filme gira em torno de um cientista (interpretado por James Franco) que luta por descobrir uma droga capaz de curar o Mal de Alzheimer, desta forma livrando o seu próprio pai do triste desfecho da doença. Para tanto, ele desenvolve uma droga que, ao que parece, trata-se de um transposon, isto é, um vírus com potencial de se inserir no genoma do hospedeiro e usar a sua maquinaria celular para propagação. Assim, este vírus, criado pela empresa Gen-Sys, seria capaz de produzir moléculas terapêuticas que atuariam de modo a eliminar os transtornos causados pelo Alzheimer. A droga, chamada de ALZ112, é então testada numa chimpanzé, cujo filhote, Cesar, passa a morar na residência do jovem cientista, após as pesquisas com o medicamente terem sido suspensas devido à perda de controle do animal.

Neste ponto vale uma primeira observação. Cesar era um OGM, ou seja, um organismo geneticamente modificado, já que herdou parte do seu genoma de sua mãe, cujo material genético já havia sido alterado pela suposta inserção viral. Há leis severas que controlam as pesquisas com OGMs em todo o mundo. É claro que, no cinema, se o bebê chimpanzé não tivesse ido morar com o pesquisador e recebido educação de ser humano, não haveria enredo para o filme.

Durante o crescimento, Cesar passa a manifestar sinais notórios de uma inteligência sem precedentes nos primatas selvagens. Em uma das marcantes passagens do filme, Cesar, enquanto era levado para passear em uma reserva natural, se vê diante de um cão preso a uma coleira por seus donos, fato que, surpreendentemente, o faz mergulhar numa profunda reflexão sobre qual o seu real papel naquela sociedade até então dominada pela espécie humana. Se eu pudesse ler a sua mente, diria que ele pensou: “Seria eu apenas um animal de estimação?”, assumindo uma postura típica de uma pessoa atormentada por crises existenciais.

No desenrolar da trama, Cesar é levado por autoridades a uma espécie de “cativeiro de luxo”, que, de luxuoso, não tem nada! É neste cativeiro que Cesar nos brinda com vários momentos de intensas reflexões. Em um dado momento, ele desenha a janela do seu antigo quarto na parede, como quem clama pelo regresso ao lar, numa clara tentativa de atenuar o sofrimento da prisão através de uma manifestação de arte. Noutra passagem, ainda no cativeiro, Cesar, sutilmente, imita a posição da histórica estátua O Pensador, do escultor francês Auguste Rodin, quando os diretores parecem querer preparar terreno para a iminência da ascenção dos primatas sobre a espécie humana.

A situação perde o controle quando um grupo de grandes primatas (a saber: chimpanzés, orangotangos e gorilas) escapam da prisão e libertam os outros “macacos” que estavam sendo mantidos como cobaias nas dependências da Gen-Sys. Liderados pelo carismático Cesar, os animais conseguem fugir da polícia americana para uma floresta.

E como os macacos vencem essa batalha com os seres humanos? Realmente, se fosse na base da força bruta, seria uma disputa relativamente simples em favor dos homens. Mas, um fato que não comentei, mas que foi decisivo para os rumos da história envolve uma propriedade do medicamente para o tratamento do Mal de Alzheimer. Se nos grandes primatas a droga era capaz de proporcionar faculdades fora do normal, em humanos, o medicamento trazia uma consequência nefasta. Ao que parece, as moléculas produzidas pelo genoma viral geravam uma letal reação de autoimunidade. Quando um dos pesquisadores que estudava o medicamento se infecta com o vírus, o problema deixa de ser apenas uma rebelião de macacos para se tornar a grande explicação para o declínio repentino da população humana no planeta. Em outras palavras, o medicamento, criado com o intuito de salvar vidas, passou a ser o maior vilão dos homens.

Também aqui cabe um comentário e uma citação histórica. A ideia da quase extinção da espécie humana apresentada no filme não é de todo absurda, já que, historicamente, nós temos exemplos de grandes populações que foram dizimadas ao entrarem em contato com um patógeno para o qual o organismo não exibia defesa imunológica. Podemos citar a introdução de patógenos pelos espanhóis no coração do império Inca, fato bem documentado no livro Armas, Germes e Aço, de Jared Diamond. É um interessante exemplo histórico de como uma minoria pode derrotar uma esmagadora maioria sem o uso da força bruta, em vez disso, com uma arma bem mais eficiente, a doença. Pelos meus cálculos, o pesquisador morre no filme após 3 dias de contato direto com o vírus. Diante deste cenário, realmente nem daria tempo de os meus colegas da FIOCRUZ desenvolverem uma vacina contra o vírus.

A fala nos macacos

Achei que deveria comentar essa peculiaridade após me sentir incomodado com uns risinhos debochados durante o filme. O filme é uma ficção científica, obviamente não podemos e nem devemos exigir rigor científico de um filme que se propõe ao entretenimento. Quem deseja se informar a respeito de publicações científicas sérias há inúmeros sites que disponibilizam artigos em revistas nacionais e internacionais para serem lidos. É só baixar, ler e ser feliz.

Sobre esta questão da fala, recomendo fortemente a leitura de um dos textos que publicamos neste blog, intitulado O caso FOXP2 – quando pequenas alterações provocam grandes mudanças. Lá é discutido um pouco sobre a história molecular evolutiva deste gene, que é associado à nossa intrínseca capacidade de falar. É oportuno lembrar as palavras de Sean B. Carroll quando ele nos diz que: “De modo geral, a evolução segue um padrão em mosaico, com diferentes características surgindo em diferentes momentos e evoluindo em taxas distintas ao longo da história.”

Sob um ponto de vista evolutivo, é evidente que fica frágil o argumento de uma droga com finalidade para terapia do Mal de Alzheimer poder gerar mudanças fisiológicas e comportamentais tão acentuadas nos primatas a pontos deles exibirem características essencialmente humanas, que são resultado de pelo menos 6 milhões de anos de transformação – tempo da divergência entre a nossa linhagem e a dos chimpanzés. Mas, também o bom senso nos diz que ninguém iria se divertir se o filme tivesse duração de 15 horas para os diretores tentarem fundamentar eventos que a natureza levou milhões de anos para moldar.

Certamente eu deixei passar muitos outros momentos marcantes deste filme, que vale muito à pena ser assistido como uma grande obra de ficção. Caso lembrem de mais fatos interessantes comentem que nós discutiremos.

Fico por aqui e até breve.

* Nós também somos grandes primatas.

4 comentários:

Bruna disse...

Excelente resenha, Bruno! A essência do filme está, indubitavelmente, aqui relatada!

Mesmo sendo apenas um filme de ficção científica, achei que os autores amarraram bem a história. Há uma lógica biológica por trás do enredo, excetuando-se, é claro, o desenvolvimeto da fala que requereria não só plasticidade cerebral, como também significativas alterações morfológicas! Licença poética concedida!

Recomendo o filme!

Mario disse...

Eu realmente gostei do filme. Eu trabalho em um zoológico e um dos meus trabalhos é o adestramento de cães e outros animais. Eu trabalho com macacos, leões, etc. Macacos são muito especiais e animais amorosos.

Thiago Araujo disse...

Brunão, enquanto assistia ao filme, voltei aqui para ler de novo a tua resenha. Aplausos, queridão! Mandou super bem.
O filme é ótimo, e como a gente estava conversando no whatsapp, é um "fan-fiction" fantástico! O Diretor retrata um Cesar da maneira que tinha que ser: Um libertador, que no primeiro filme aparece como "o Grande Macaco"! Acho esta uma das melhores ficções científicas de todos os tempos por uma série de motivos, de que vc mesmo falou, porque tudo é relativamente palpável. Tudo poderia acontecer mesmo. Humanos dizimados por uma doença foi o primeiro aspecto. Outros são: A linguagem (inerente à humanos) não surgiu do nada. Cesar foi exposto à altas doses do vírus, já sendo um OGM. Ou seja, ele já tinha uma inteligência diferenciada, mais desenvolvida do que a de uma criança, por exemplo (chimps e crianças vão se desenvolvendo de forma similar até uma certa idade). Tudo bem que o filme mostra uma coisa beeeeem mais desenvolvida. Mas, vale. É ficção!
Outra coisa, os macacos não se tornam gênios do dia para a noite. Desenvolvem, sim, uma inteligência, mas que é primária. No filme que deu origem a série isso fica bem encaixado, já que após muitos e muitos anos, os macacos ainda tinham uma tecnologia simples, tendo desenvolvido a fala, armas brancas, roupas. Tinham iniciado a ciência e a arte próprias e dominaram outros animais. Fatos que poderiam ser alcançados com "um pouco de evolução", ajudada pelos genes modificados e transmitidos pelas gerações...
Enfim, adoro esse filme, e o "2" da origem vem por aí, mostrando como foi a quase eliminação da espécie humana. Espero que tenham feito um trabalho à altura da série... Nós vamos estar lá pra conferir. hehehehe
Abração!

Anônimo disse...

adorei este filme pq falar tbm o amor do cientista pelo o animal <3

Poderá também gostar de:

Related Posts with Thumbnails